Cem Anos de Pó de Arroz

Quase passou em branco. Acabo de receber um e-mail do grande tricolor Alexandre Berwanger me lembrando do fato de que hoje, exatamente hoje, dia 13 de maio de 2014, completam-se 100 anos que o Fluminense virou pó de arroz.

É bem provável que ele esteja certo pois foi no dia 13/5/1914 que o ex-americano Carlos Alberto jogou pelo Fluminense contra seu ex-clube pela primeira vez. E como todo tricolor que se preza sabe bem, partiu de uma provocação da torcida do América chamá-lo de pó de arroz.

Em tempos de bananas atiradas no gramado e homenagens a técnicos negros (para demitir no dia seguinte), é sempre bom relembrar um pouco essa história. Mas relembrar direito, do jeito que realmente foi, e não a releitura histórica promovida por nossos rivais, que tentam com isso, de forma risível, atribuir uma pecha racista ao Fluminense.

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que o Fluminense teve jogadores negros antes do Carlos Alberto. Na foto que ilustra este post (de 1910) vemos por exemplo o jogador Alfredo Guimarães, que jogou pelo Fluminense entre 1910 e 1911. Bem antes do Carlos Alberto portanto.

A foto por si só joga por terra qualquer tese de que negros não podiam jogar no Fluminense.

Em segundo lugar, é sabido que o Carlos Alberto já passava pó de arroz antes de ser do Fluminense, quando era jogador do América. Não existe nenhum relato do jogador ter sido obrigado ou constrangido a passar pó de arroz quando ingressou no Fluminense. Ele assim o fez porquê quis e porquê já tinha esse hábito. A própria provocação de “xingar” o jogador de pó de arroz partiu justamente da torcida do América, que sabia de seu hábito e provavelmente estava com dor de cotovelo pelo fato do jogador ter trocado o clube rubro pelo Flu.

Entendo a provocação dos torcedores americanos, essa sim, como uma possível manifestação racista. Algo como: “sabemos que você é negro. Esse pó de arroz no rosto não me engana”. É uma interpretação cabível.

O livro “Negro no futebol brasileiro” relata casos explícitos de racismo no Botafogo, no Flamengo, no América e na Seleção Brasileira. Mas foi justo o Fluminense, por causa de um jogador que tinha por hábito passar pó de arroz no rosto desde antes de jogar no Fluminense, e que por essa razão foi hostilizado por outra torcida que não a do Fluminense, que ficou estigmatizado. Vai entender.

Vale lembrar que Friedenreich, o maior craque brasileiro dos tempos do amadorismo, filho de pai alemão e mãe negra, em atitude semelhante à do Carlos Alberto passava horas no vestiário antes de cada partida alisando seu cabelo. E nem por isso, qualquer dos clubes pelos quais ele atuou foi acusado de racismo.

Por último, fico com o depoimento dado pelo Cristóvão Borges em recente participação no programa Bem Amigos. No Fluminense, nunca sentiu qualquer preconceito com relação à cor da sua pele. Já no Vasco, ainda que veladamente, sentiu.

O Vasco aliás se vangloria de seu pioneirismo com relação a inclusão dos negros no futebol. Um pioneirismo falso. Jogadores negros e mulatos atuaram por clubes como Bangu, Andaraí e o próprio Fluminense muito antes do Vasco sequer ter um time de futebol.

E a torcida do Fluminense desde aquela época já transformava limão em limonada. Transformou ofensa em um dos símbolos mais bonitos do futebol brasileiro.

Texto publicado originalmente na minha página pessoal no Facebook em 13 de Maio de 2014.

A foto que ilustra o post é do jogo Botafogo 3 x 0 Fluminense, dia 26/6/1910, pelo campeonato carioca de segundos quadros. Pertence ao acervo do Fluminense FC.
Em pé: Ernesto Paranhos, Coimbra e Dale
Agachados: Raul Brandão, Harold Cox e Alfredo Guimarães
Sentados: Renato Miranda, Alfredo Rocha, Humberto, Gustavo de Carvalho e Loup
Alfredo Guimarães chegou a jogar também pelo primeiro quadro.

3 comentários

  1. Excelente.
    Poucas instituições do mundo são atacadas por detratores de caráter lastimável, profissionais, pois a maioria recebe salários para isso, como o Fluminense.
    Ainda dizem que há casos de profissionais vinculados a órgãos de imprensa que recebem “mesada” em determinado lugar, imagino a título de “assessoria”, remunerados então duas vezes para fazer esse papel.
    Como não tenho provas materiais, não posso ser explícito.
    Tem que ser GIGANTESCO para seguir forte em um ambiente inqualificácel, de tão podre, desde o início do Século XX.

    Curtir

  2. Beleza João. Você e o Alexandre são fodas. Não esqueceram da história do pó de arroz. São verdadeiros sacerdotes. Vocês serão sempre lembrados pelos bons tricolores. Peça ao Alexandre para ficar calmo e continuar a pesquisa dele. Um forte abraço.

    Curtir

  3. Valterson, Alexandre, no dia 13 de maio de 2014 o Alexandre me mandou um e-mail dizendo o seguinte:

    “Hoje, 13 de maio de 2014, a HISTÓRIA DO PÓ DE ARROZ FAZ 100 ANOS, mas tenham cuidado em não comentar estorinhas e pesquisar com seriedade o tema!”

    Foi o e-mail que me motivou a escrever este post sobre o assunto. O post acabou sendo vergonhosamente plagiado pelo próprio clube sem nenhum crédito ou citação. Mas o importante é que essa história pela primeira vez foi contada com esse enfoque, que até então não existia.

    Não sei o que está acontecendo com o Alexandre mas reforço as palavras do Valterson: “fique calmo e continue sua pesquisa”.

    Abraços e saudações tricolores.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s